30 dezembro 2005

Será com o direito?

Com que pé é que as pessoas de esquerda vão entrar em 2006?

É por isso que continua a apoiar equipas profissionais de futebol.

Num jantar de confraternização com Presidentes de Junta, Armindo Costa
alertou: As populações não toleram ver dinheiros públicos mal gastos quando
ainda não estão satisfeitas as necessidades básicas.

(ver noticia em na famalicão tv)

Sócrates caiu.

Calma. Nada de festejos antecipados. Não caiu do governo. Para já caiu apenas na neve, a esquiar.

29 dezembro 2005

O administrador do condomínio

O Presidente da Junta de Freguesia de Esmeriz, em entrevista ao Cidade Hoje, concorda que Esmeriz é como um condomínio fechado.

É por isso que vão comprar um DVD e um projector.

Segundo o Cidade Hoje, a direcção do cineclube de Joane quer fazer com que o espectador perceba que o cinema é uma arte e, como tal, deve ser apreciada nas salas de cinema, com o ambiente que lhe é próprio.

O défice

Segundo o Jornal Cidade Hoje, o Cineclube de joane tem actividades previstas com um custo total de 21.228 Euros. As receitas são de apenas 7.250 Euros.
Não seria mais sensato um plano mais de acordo com as receitas?

Rua de Laborins

Passei pela Rua de Laborins. Para quem não sabe a rua de Laborins é aquela onde vai ser construído o novo posto da GNR.
Não obstante ter dois camiões “TIR” estacionados no meio da estrada (As ruas em Joane nem têm passeios nem estacionamento e quando têm passeios não têm estacionamento e vice-versa), o pavimento encontra-se todo cheio de buracos, o que é extremamente desagradável.
Sr. Presidente da Junta, é favor resolver…

28 dezembro 2005

O vigor de Soares

Jornalista: Ficou chocado com aquilo que disse o líder do PP?

Mário Soares: Não, não foi o lider do PP que disse isso. E aquela coisa que me referi, do terrorismo, foi o líder do CDS que disse isso, dr. Ribeiro e Castro, que é uma coisa inaceitável e impossível. Ele diz aquilo... ele é, ainda por cima, deputado do Partido Socialista... um dos grandes grupos do Partido Socialista é o Partido Socialista... o Partido Socialista Europeu...
Imagine lá como é que ele vai entender-se com os colegas do parlamento a dizer dessas coisas aqui no plano interno... E é feio, não é bonito e... é uma pena que seja um dos mais entusiásticos, senão o mais entusiástico, apoiante do dr. Cavaco nesta eleição.

veja o vídeo em
http://www.flurl.com/uploaded/Soares_sempre_presente_26561.html

Tanto barulho por nada

Cavaco, em entrevista ao Jornal de Noticias referiu que, noutros países europeus, por exemplo a Austria, existe um secretário de estado que se dedica a acompanhar as empresas estrangeiras no país.
A esquerda em bloco, com todos os seus candidatos presidenciais (e são muitos...) veio afirmar que se trata de uma intromissão inadmissível na esfera do governo.
Deixando de lado o exagero que caracteriza afirmações desesperadas, típicas de náufragos que se agarram a qualquer coisa, vale a pena perguntar: Mas afinal a ideia é boa ou é má?

27 dezembro 2005

Mau génio de Sá Machado volta a atacar

Nuno Sá convocou conferência de imprensa para reagir às acusações de Lista de Fernando Salgado, Duarte Santos e Sá Machado. Estes não se fizeram representar, apareceram pessoalmente para “exercer o direito ao contraditório”. Às declarações de Nuno Sá, o trio contrapunha, chamando-lhes “palhaços”.
Não deixamos de realçar a presença do presidente da junta de Joane, Sá Machado.
Sá Machado teve uma recaída, depois de aquando da última vitória eleitoral ter anunciado que não foi a vitória de um malcriado, eis que o seu mau génio volta a surpreender, ou talvez não.

26 dezembro 2005

Socialista, Republicano e (agora) crente

Mário Soares vai aparecer em último lugar no boletim de voto, segundo foi hoje sorteado.
O candidato reagiu (Soares agora reage a tudo...). E, como na parábola biblica, disse: "Os últimos serão os primeiros".
O laico Mário ainda vai acabar a campanha a acender umas velinhas a Nossa
Senhora de Fátima.

Direito ao contraditório

Segundo a imprensa local deste fim de semana, alguns elementos da lista de Fernando Salgado invadiram a conferência de imprensa do outro candidato para exercerem o "direito ao contraditório".
O facto de os socialistas quererem exercer o direito ao contraditório numa conferência de imprensa já é original.
Ao que parece, e a acreditar nos jornais, o direito ao contraditório incluía expressões como "palhaços".
São estes senhores e senhoras que querem governar Famalicão. O PSD pode dormir
descansado.

23 dezembro 2005

Feliz Natal

Para todos, um grande Natal com Paz, Amor e Felicidade. Participem no Fórum Joane.

Mário e a CNE

A Betandwin.com promove no seu site apostas sobre o vencedor das eleições presidenciais.
Mário Soares não gostou. Diz que os candidatos não são cavalos de corrida. E pede a intervenção da Comissão Nacional de Eleições.
Hummmm. Será que a Comissão Nacional de Eleições já se pronunciou sobre as duas vezes em que Soares, em pleno dia de eleições, apelou ao voto em candidatos socialistas?

É Natal, é Natal

Em todo o lado e por todos os meios, não param de chegar votos de Feliz Natal, bom ano, cheio de paz, amor e saúde para toda a gente...
Fica sempre bem.
A famalicão TV (ver link) tinha há dias um vídeo em que um famalicense, quando perguntava o que desejava para o mundo, respondia como as candidatas a miss mundo: Paz e amor no mundo inteiro. Depois perguntaram-lhe o que desejava para si e o jovem foi mais modesto: um carro!

Indecisos...

A ignorância matemática dos jornalistas não deixa de surpreender.
A TSF divulga hoje o resultado de duas sondagens.
Uma, do Correio da Manhã, dá a Cavaco Silva 60%.
Outra, da TVI dá a Cavaco mais de 50% à primeira volta.
Comentário da TSF (cito de memória): Estes resultados só são possíveis após a distribuição dos indecisos. De resto são estes indecisos que poderão mudar as coisas e obrigar Cavaco a uma segunda volta. Sem o voto dos indecisos Cavaco tem apenas 45% das intenções de voto.
Ah, tanta ignorância... Nos resultados das eleições nunca aparece uma percentagem para indecisos, pois não? As pessoas ou votam ou não votam. Não há votos indecisos.
Por isso, todas as empresas de sondagens procedem a uma distribuição dos que se manifestam indecisos, porque só assim é possível analisar e comparar resultados. O voto dos indecisos, como ignorantemente lhe chama a TSF, é distribuído por todos os candidatos. Claro que nessa distribuição, Cavaco recebe mais votos do que os outros. Mas isso é porque a intenção geral de voto já lhe dá mais votos do que aos outros.
A verdade, verdadinha, é que TODAS as sondagens continuam a dar maioria a Cavavo à primeira volta.

22 dezembro 2005

Ai se eu mandasse...

Jerónimo de Sousa mandou calar Ribeiro e Castro, porque não gostou que este tivesse afirmado que a raíz ideológica do terrorismo global actual é a mesma do comunismo.
Sem querer entrar nessa discussão, vale a pena chamar a atenção daqueles que até acham Jerónimo simpático. Os comunistas só são simpáticos porque não têm poder. Se pudesse, esta esquerda mandava calar quem com eles não concordasse.
A bem ou à bala.

O que fará

a Faria?

O Camarada Che

O Presidente do PP mostrou-se preocupado porque milhares de jovens em todo o mundo, usam t-shirts de Che Guevara. A coisa em boa verdade não faz mal a ninguém, mas não deixa de ser preocupante que um dos ídolos da juventude de esquerda seja um assassino.
Imagine-se que alguém lançava a moda de usar t-shirts com a imagem de Hitler. Seria certamente um escândalo. Assim, como a imagem é de Che, já está bem e a malta até acha giro.
Nesta coisa de assassinos, a esquerda sempre gostou muito dos seus. Desde que os assassinatos sejam em nome da Revolução, a malta até acha bem.

21 dezembro 2005

Sondagens

Os apoiantes de Soares andam eufóricos. Ao que parece, segundo uma sondagem de ontem, Mário Soares terá ganho o debate com Cavaco.
Ora, é preciso descascar a questão:
1- A diferença entre os que consideram que ganhou Soares e os que acham que ganhou Cavaco é inferior à margem de erro. Conclusão: Trata-se na verdade de um empate técnico.
2- Os apoiantes de Soares passam a vida a dizer que as sondagens não servem. Afinal parece que lhes dão muita importância.
3- Ora, se lhes dão muita importância, o que os deve preocupar é que segundo
TODAS as sondagens, Cavaco prepara-se para ganhar as eleições à primeira volta.

Homens diferentes

Parece que Soares considera que Cavaco não tem conversa e só sabe de economia.
Soares em contrapartida demonstrou que não sabe de nada e só tem conversa. Da treta!

Mário, o Elegante

Parece que Mário Soares se vê a si próprio como elegante.
Assim à primeira vista, olhando para ele, não parece.
Ouvindo-o fica-se com a certeza.

Insinuações nojentas, mas com elegância

Disse Mário Soares (cito de memoria): Eu é que sei o que me diziam algumas das pessoas que participavam nas reuniões de primeiros ministros da União Europeia, acerca das intervenções do prof. Cavaco.
Pergunta Judite de Sousa: E o que é que lhe diziam, Sr. Dr. Responde o dr. Mário Soares, escondendo a mão depois de atirar a pedra: Ai isso não digo, que seria uma deselegância.

Classe Zero

O debate de ontem entre Mário Soares mostrou o ex-presidente em toda a sua classe: Zero!
Está visto que o homem se considera dono da Presidência da Republica.
As eleições de 1986 serviram para varrer os militares da cena política Nacional.
As eleições de 2006 vão servir para varrer de vez o inefável Soares da cena política.

20 dezembro 2005

O cavalo certo?

Fernando Salgado, candidato à liderança do PS de Famalicão diz que a candidatura de Nuno Sá, não passa de uma candidatura de circunstância.
Nuno Sá, deputado da Assembleia da República, defende-se atacando e diz que Fernando Salgado não tem condições pessoais e políticas para liderar o partido.
Bonito serviço, na próxima década o PS vai penar na oposição.
É público que o Sá Machado apoia o candidato Fernando Salgado. O último guerreiro do partido socialista de Famalicão apostou.
A ver vamos se apostou no cavalo certo.

19 dezembro 2005

Um partido em movimento.

Segundo relatou a imprensa regional deste fim de semana, o Partido Socialista de Famalicão inaugurou uma nova forma de fazer eleições: Numa auto-caravana, no exterior da sede do partido.

16 dezembro 2005

Pouco Juízo

Para Famalicão ter um presidente como Armindo Costa é pura felicidade. Senão, repare-se nestas declarações hoje públicadas no Opinião Pública: "pode ser que estes mais pequenos sejam os guardadores da Terra porque nós já não temos juízo e não somos capazes de cuidar do ambiente".
Bom, da falta de juízo, cada um sabe de si... O que gostava de saber é o que pensa disto o sr. vereador do ambiente...

14 dezembro 2005

Iluminação de Natal

Foi hoje acesa a iluminação de Natal da Igreja de Joane. Quem se aproxima da Vila, seja por que entrada for, não consegue ficar indiferente. Aqui se reproduz uma pequena amostra.



Fórum HUMOR 1

AS AMIGAS DA MULHER:
A esposa passou toda a noite fora de casa.
Na manhã seguinte, explicou ao marido que tinha dormido na casa da melhor amiga. O marido telefonou então para 10 das suas melhores amigas, mas nenhuma delas confirmou o fato.

OS AMIGOS DO HOMEM:
O marido passou toda a noite fora de casa.
Na manhã seguinte, explicou à mulher que tinha dormido em casa do seu melhor amigo.
A esposa telefonou então para 10 dos melhores amigos do marido.
Cinco deles confirmaram que ele tinha passado lá a noite. Os 5 restantes, além de confirmarem que ele passou lá a noite, garantem que ele ainda está lá.

13 dezembro 2005

Noticias "recentes" segundo Sá Machado.

A Junta de Freguesia de Joane tem um site. Óptimo. Parabéns. A coisa até está bem feita, e tem coisas com interesse.
Mas (adivinharam, há sempre um "mas", sobretudo quando se começa a dizer bem da Junta de Freguesia, já se sabe que a seguir vem um "mas"...), não basta fazer um site e depois deixar a coisa assim, parada paradinha.
Por exemplo, as noticias mais recentes do site são de Abril de 2005. Quase um ano. Mas continuam a ser recentes, na curiosa definição de "recente" do Dr. Sá Machado.
O site, a as suas noticias desactualizadas acabam por ser uma boa metáfora do que é a Junta de Freguesia de Joane: um atraso de vida!

12 dezembro 2005

O Valor Acrescentado do Artista

Armindo Costa em entrevista à Famalicão TV (www.famalicao.tv), a propósito da árvore de Natal gigante na cidade:
"Tudo isto foi feito pelo DOM, Departamento de Obras Municipais, que fizeram todas estas peças em madeira, e portanto, tudo isto não custou dinheiro."
Mais à frente corrige:
"Não custou dinheiro? Custou. As pessoas enquanto fazem isto não fazem outra coisa, mas não há aqui valor acrescentado do artista".

10 dezembro 2005

CTT de Pousada de Saramagos

Atenção: A balança electrónica dos CTT do balcão de Pousada de Saramagos apresenta o último selo de calibragem da Câmara Municipal de 2001.
Alguém está a falhar...

O Centro de Saúde

Se há serviços públicos em Joane que nos envergonham, o campeão é, na minha opinião, o Centro de Saúde.
O que se passa naquela casa é inacreditável. A forma como é gerida só tem um nome: incompetência. As histórias que se contam são inúmeras. Conto a minha. Por pura felicidade, por apenas uma vez tive de recorrer ao centro de saúde.
Numa bela tarde, lá perdi umas horas de trabalho e fui marcar uma consulta.
Correu bem, e consegui uma consulta para o dia seguinte. A coisa já foi mais complicada quando perguntei a que horas era a consulta. A criatura atrás balcão ficou genuinamente surpreendida e respondeu sem pestanejar que não se marcavam horas. Eu devia aparecer no centro de saúde o mais cedo possível, para marcar vez...
Fiquei siderado. Não se marcavam horas... Pouco disposto a perder mais horas de trabalho do que as necessárias, perguntei então a que horas chegava o médico, e a que horas saía, de forma a que a minha pudesse ser a última consulta da tarde. A resposta foi novamente brilhante: o médico chega por volta das duas e sai quando acabam os doentes. E no dia seguinte, por volta das duas lá fui eu ao médico. O médico, escusado será dizer, não estava lá às duas horas. Eram três quando chegou. Nessa altura a sala de espera já estava cheia, como as senhoras do balcão gostam. Às cinco horas fui atendido. Perdi uma tarde de trabalho. Eu e toda a gente que ali estava.
Eu não percebo porque não é possível marcar uma hora para uma consulta. Bem sei que o semi-analfabetismo funcional das senhoras atrás do balcão não permite grandes complicações, mas se até os barbeiros hoje em dia já marcam horas, com certeza que o centro de saúde também o consegue fazer. É simples, basta uma agenda. Claro que marcar horas exige uma coisa, essa sim muito complicada. É que os médicos cumpram horas. Que tenham uma hora para chegar e outra para saír. Enquanto beneficiarem de um relógio especial, que se atrasa nas horas de entrada, e se adianta nas horas de saída, marcar horas é complicado.

09 dezembro 2005

Sorteio simpático

Foi efectuado esta noite o sorteio dos grupos para a 1.ª fase do Mundial de futebol de 2006 na Alemanha.
Portugal vai jogar, na primeira fase, com o México, Angola e Irão.
Melhor era quase impossível...

Curto e Grosso

Há dias conversava com um amigo estrangeiro sobre as presidenciais em Portugal. Quando lhe contei que Mário Soares era candidato, interrompeu-me e perguntou-me: O velho?

07 dezembro 2005

Totta Vs CGD (a explicação)

Queres uma explicação para a diferença de tratamento entre o Totta e a CGD?

Simples: o Totta é privado a Caixa é pública.
Como todos os privados, o Totta tem de fazer pela vida. Lutar pelos clientes, conquistar quota de mercado para ser lucrativo.
A caixa, como todas as entidades públicas, tem tudo isso garantido. Clientes oferecidos pelo estado. Por isso os empregados dão-se ao luxo de serem antipáticos (a verdadeira imagem de marca de um funcionário público exemplar é ser antipático).
Para que é preciso um banco público? Para nada! A não ser para colocar gestores públicos, saídos dos governos. E claro, também para financiar operações do estado que de outra forma ninguém financiava.

Totta Vs CGD

Hoje fui ao Banco Totta de Joane. Foi a primeira vez que lá entrei, nem sequer lá tenho conta. Fui muito bem recebido. Atenciosos, bem dispostos, profissionais.
De seguida, fui ao “meu” banco, a Caixa Geral de Depósitos na feira. Se lá não tivesse ido de seguida nem notava mas fui, que diferença de atendimento. Aquela gente parece que está sempre mal disposta e que estão ali a fazer-nos um favor.
Enfim…
Alguém me explica o que se passa?

06 dezembro 2005

A dança das cadeiras (à moda de Armindo)

A Câmara Municipal de Famalicão inaugurou um modelo original de vice-presidências: A Vice presidência rotativa. A coisa funciona assim: durante o
próximo mandato, a vice presidência da câmara será assegurada rotativamente por todos os vereadores.
Este sistema é original. Mas não muito. O Bloco de Esquerda já o utiliza na Assembleia da Républica. Os deputados do Bloco vão girando pelas cadeiras, para se tornarem conhecidos e parecerem muitos, quando são apenas dois ou três.
Segundo a versão oficial, a coisa é assim para que todos os vereadores ganhem esperiência da vice presidência e coisa e tal e tal e coisa e eles falam falam e não dizem nada.
Porque se dissessem, o que diriam é que este modelo serve para que nenhum vereador se atreva a fazer sombra ao senhor Presidente. Assim, evitam-se crises de protagonismo e daqui por quatro anos, quando chegar a altura de apresentar um novo candidato não haverá nenhum vice-presidente que seja apontado como sucessor natural.
O anterior vice presidente, Jorge Paulo Oliveira aceitou caladinho e sossegadinho a perda da vice presidencia. Além disso perdeu ainda o pelouro do urbanismo, talvez o pelouro mais importante. Ou seja, e para quem ainda tinha dúvidas: Jorge Paulo Oliveira perdeu imenso poder no executivo. Sempre caladinho e bem comportado, claro.
A pergunta óbvia é: Porquê estas manobras? Porquê retirar poder ao melhor vereador do PSD? Porquê retirar protagonismo ao vice-presidente? O tempo o dirá, mas só os desatentos se admirarão se daqui a quatro anos se assistir a uma sucessão ao melhor estilo monárquico.

05 dezembro 2005

Dividir os Socialistas para Unir os Portugueses?

Andava um pouco distraído da campanha de Mário Soares. Até hoje. Esbarrei com um enorme cartaz, onde se lê, a propósito da candidatura: Porque sabe UNIR os Portugueses. Fiquei surpreendido. Mário Soares não é capaz de unir toda a esquerda na sua candidatura. Pior: Mário Soares não é sequer capaz de unir os socialistas em volta da sua candidatura. E quer que acreditemos que sabe unir os Portugueses...

Parque Infantil de castigo...

O parque infantil da Labruge está “morto” há vários anos. Ao que parece ninguém quer saber. A responsabilidade é da Junta de Freguesia com certeza.
Durante a campanha eleitoral para a s últimas autárquicas, ficamos a saber que o terreno do “defunto” parque foi há anos cedido pelo empreiteiro candidato da coligação PSD/PP, o Sr. Artur Fernandes.
Devido a esta descoberta já há quem diga que enquanto o actual presidente da Junta se mantiver, o parque não voltará.
Será assim?
A ver vamos…

02 dezembro 2005

Cofres cheios de ar.

O dr. Mário Soares, anda em campanha. Tudo bem. Mas o dr. Soares também anda a
dizer os maiores disparates. Ontem disse que Cavaco herdou os cofres cheios,
e que o boom económico entre 1985 e 1995 se deveu aos fundos comunitários.
Ora bem. Cavaco terá herdado os cofres cheios, mas de ar...
O dr. Soares devia saber que em 1984, quando Soares era primeiro ministro, a
taxa de inflação era de 29,3% ao ano. Em 1995, quando Cavaco saiu do governo
era de 4,1%. Chega?
Quanto ao boom económico, é verdade que ele se deveu em parte à entrada de
fundos da comunidade, mas isso não explica tudo.
Nos dez anos em que foi o professor Cavaco Silva foi primeiro ministro,
Portugal recebeu por ano, em média, 1.230 milhões de Euros. Nada mau. Mas
Guterres recebeu em média, mais de três vezes mais (3.800 milhões de euros por
ano). E no entanto, no final dos mandatos de Guterres, o país estava
mergulhado numa grave crise financeira.

01 dezembro 2005

Bem vindos ao maravilhoso mundo novo do socialismo inútil!

Ao que parece o governo prepara-se para proibir crucifixos nas escolas públicas. É uma medida estupida e desnecessária (ou seja, uma medida socialista).
Aguardam-se agora as próximas medidas: O Domingo tb vai mudar de nome, porque significa Dia do Senhor. E claro, a Sexta-Feira Santa e o Natal vão deixar de ser feriados. Porque Portugal é um estado laico, claro. As terras vao mudar de nome. Seja Bem Vindo à Maria da Feira e ao Joao de Airão. Depois vao ser as estaçoes de comboios: Apolónia e Bento vão ser os novos nomes. Aliás, o próprio palácio onde funciona o Parlamento vai apenas ser o Palácio do Bento. Os teatros nacionais vao ser do Joao e do Carlos. Acabam-se os Santos en nomes de coisas públicas. E como se vai resolver o problema das condecorações do estado? Os Cavaleiros da Ordem de Cristo vão passar a ser apenas cavaleiros? E os Cavaleiros da Ordem de Avis? E os da Ordem de Sant’Iago da Espada? E claro, o Cristo Rei vai ser demolido.
Bem vindos ao maravilhoso mundo novo do socialismo inútil!

30 novembro 2005

O inimigo

A acreditar na imprensa local, o Presidente da Comissão Política Concelhia do PSD considerou, durante a festa de aniversário do PSD de Joane, que Sá Machado era "inimigo do PSD". Conta-se que, em tempos, Churchill, o conservador primeiro-ministro britânico que foi determinante para a vitória aliada na segunda Guerra Mundial, acompanhou um jovem conservador numa visita à Câmara dos Comuns (o parlamento britânico). E perguntou-lhe, apontando para os lugares onde se sentavam os deputados trabalhistas: "Sabe quem se senta ali?", ao que o jovem entusiasmado respondeu: "Claro, ali sentam-se os nossos inimigos". Curchill corrigiu: "Não, ali sentam-se os nossos adversários. Os nossos inimigos sentam-se ao nosso lado, nesta mesma bancada". Forçado a meter o "inimigo" dentro de casa, e até a dormir com ele, o jovem e ambicioso Paulo Cunha talvez se devesse lembrar disto.

16 novembro 2005

Análise aos resultados das Autárquicas 2005

Os resultados das últimas eleições autárquicas constituíram surpresa. Não tanto pela vitória de Sá Machado, que era de certa forma esperada, mas sobretudo pela forma esmagadora como essa vitória se materializou. Os resultados não podem deixar de ser analisados, e essa análise pode ser feita de várias perspectivas e com vários níveis de análise.
O primeiro nível de análise, e porventura o mais simplista, é considerar que a vitória esmagadora de Sá Machado se deu porque o candidato era melhor. Esta perspectiva traduz uma visão de que o que estava em causa eram sobretudo os dois candidatos. Isto, sendo verdade, não permite explicar em toda a sua dimensão o que aconteceu. Por um lado, as eleições e a campanha não foram demasiado personalizadas. Embora girando em torno dos candidatos, e campanha não se reduziu a eles e os partidos representaram um papel essencial. Por outro lado, o candidato Artur Fernandes é sem dúvida um homem sério e respeitado na freguesia. Embora pouco habituado a campanhas políticas, é difícil de perceber porque não conseguiu aumentar a votação do PSD relativamente a eleições anteriores.
Um segundo nível de análise, é considerar as listas apresentadas no seu todo. E aqui a explicação começa a tomar forma. Uma lista em coligação, como era a do PSD é sempre uma lista mais difícil de organizar. Há concessões que é preciso fazer e é forçoso reconhecer que o CDS, não valendo coisa alguma em termos eleitorais ou políticos, sabe vender-se. Vende-se bem. E caro.
O terceiro nível é analisar a candidatura do PSD em função de quem lá não aparece. Das ausências. Não tanto as ausências em si mesmo, mas pelo que elas significam. Ora, a direcção do PSD entendeu por bem proceder a uma mudança radical, não apresentando qualquer dos candidatos que representaram o partido nos últimos dez anos em Joane. Erro grave. Uma coisa é ir renovando as listas e os rostos. Outra coisa bem diferente é varrer tudo, fazer do passado tábua rasa e rejeitar toda a experiência acumulada. Para além disto, que não é pouco, neste caso concreto, a rejeição de alguns rostos do partido foi ainda uma consequência das últimas eleições internas do Partido. Erro também. Um Partido que se apresenta publicamente dividido é um Partido fragilizado. As eleições internas num Partido são um acto normal em democracia. Mas o que não pode acontecer é que eleições internas acabem por ter uma tradução pública.
Finalmente, e ainda analisando ausências nas listas do PSD, como explicar a ausência do presidente do núcleo de Joane? De tudo o que atrás se discutiu, este facto é o mais difícil de explicar. Aliás, parece-me inexplicável. Terá o presidente do núcleo que a sua presença nas listas mais do que conquistar votos fazia perder votos? Talvez. Terá o presidente do núcleo sido proibido pela hierarquia do Partido de se candidatar? Talvez. Seja qual for a resposta, a verdade é que nenhuma das respostas ajuda o Partido. Um presidente do Partido tem sempre que ter qualidades pessoais, políticas e boa imagem pública para fazer parte de uma lista em lugar de destaque.

13 novembro 2005

Resultados Autárquicas 2005 - Junta de Freguesia

inscritos: 6082
votantes: 4473 73,54%
brancos: 54 1,21%
nulos: 37 0,83%

PS: 2289 votos 51,17% 7 mandatos
PPD/PSD.CDS-PP: 1738 votos 38,86% 6 mandatos
B.E.: 234 votos 5,23%
PCP-PEV: 121 votos 2,71%

12 novembro 2005

Freguesia de Joane

População: 6249
Actividades económicas: Indústria têxtil, agro-alimentar, comércio e serviços
Festas e Romarias: S. Bento (1.º domingo de Setembro), Santo Amaro (14 e 15 de Janeiro), Procissão do Senhor dos Passos (Páscoa), Santo António e Senhora da Carreira
Património: Igreja, Capela da Senhora da Carreira, Capela de S. Bento e Casa dos Castros de Vila Boa ou Casa da Torre de Cima
Outros Locais: Alto da Torre
Gastronomia: Pão-de-Ló
Artesanato: Guarda-sóis
Colectividades: Associação Desportiva e Popular “Os Águias”, Associação Musical de Joane, Associação Teatro Construção, G. D. de Ruivos, Grupo Folclórico de Danças e Cantares de Joane, G.D. de Joane, Sociedade Columbófila de Joane e Frater-nidade Nuno Álvares
Orago: Divino Salvador
Feiras: Semanal, aos sábados

Joane: Terra de templários
Freguesia do concelho e comarca de Vila Nova de Famalicão, Joane dista 11 quilómetros da sede do concelho. O primeiro documento que a refere data de 1065 A antiga freguesia terá sido reitora de apresentação da Mitra ou de apresentação alterada da Mira do Rei ou do Papa. Crê-se ter pertencido inicialmente à Ordem dos Templários que aqui tinha reitoria e comenda, mas em 1319 passou para a Ordem Cristo. Fazem parte desta freguesia os lugares de: Agra de Alvar, Assento, Bairros, Barreiros, Charrueiras, Cima de Pele, Cividade, Gavim, Giestal, Lapa, Mato Senra, Monte, Montilhão, Moutinho, Pulsos, Romão, Rúivos, S.. Bento, Souto, Sub-Carreira, Tapada, Telhado, Torre, Valdemar, Vau e Vila Boa. Atravessa esta freguesia a estrada feita pela compa-nhia Viação Portuense que liga Famalicão a Guimarães; dentro dos limites tem duas pontes, uma junto ao lugar de Vila Boa e outra no sítio de Laborins. A primeira atra-vessando o rio de Pele e a segunda o ribeiro de Laborins, além de vários pontilhões de serviço particular e público. No primeiro destes ribeiros abundavam trutas e peixe miúdo e em ambos há moinhos de moer milho grosso.

São antigas as referências à vila de Joane, remontando, as primeiras, ao período antes da formação da nacionalidade, nomeadamente ao ano de 1609.
De proveniência latina, o topónimo Joannem está associado e, historicamente relacionado, a um primitivo possuidor da “villa” (grande unidade agrária) do mesmo nome, existindo ainda a casa-sede e o local (aldeia de Joane), o qual se considera ter sido um dos mais respeitáveis proprietários do período romântico. Joane, indicará, por isso, uma antiga unidade agrária dimensionada pelos romanos, abrindo-se a estes a organização da primitiva agricultura da Península Ibérica.
Distando 11 km de Famalicão (sede Concelho), Joane é, hoje, um importante ponto de passagem de tráfego rodoviário. Contribui decisivamente para este facto a Via Inter-Municipal que liga a vila a Vizela em poucos minutos.
Ocupa uma área de 725 ha e conta com uma população residente de cerca de oito mil habitantes.
Das actividades económicas desenvolvidas, a indústria é, sem dúvida, a dominante seguindo-se o sector dos serviços que se tem implementado e desenvolvido. Assim, Joane, assume-se como um pólo de desenvolvimento em plena expansão. A confirmar e consolidar esse desenvolvimento saliente-se o facto de, em 3 de Julho de 1986, ter sido elevada à categoria de vila, afirmando-se como um dos centros mais desenvolvidos do concelho.
Quanto à Heráldica – armas e brasão – recentemente aprovada, é constituída por quatro castelos, dada a categoria de vila, uma roda dentada simbolizando a indústria e os restantes elementos, espigas e cacho de uvas, como símbolo de fertilidade e agricultura.


Joane (António Luís Machado Guimarães, 1.º barão).
n. 31 de Janeiro de 1820.
f. 18 de Junho de 1882.

Fidalgo cavaleiro da Casa Real; comendador da ordem de Cristo, cavaleiro da de N. Sr.ª da Conceição, proprietário na vila de Joane.
N. em V. N. de Famalicão a 31 de Janeiro de 1820; fal. em Joane a 18 de Junho de 1882.
Casou duas vezes; a primeira com D. Joana Teresa Guimarães, e a segunda com D. Praxedes de Sousa Guimarães, filha de Bernardino de Sousa Guimarães, capitalista. Do primeiro matrimónio, houve um filho, com o mesmo nome de seu pai, nascido a 18 de Janeiro de 1846, que fal. há poucos anos, o qual foi presidente da câmara municipal de V. N. de Famalicão e o 2.ª barão de Joane. Do segundo matrimónio foi filho o Sr. conselheiro Bernardino Machado. (V. Machado Guimarães). Teve a concessão do título de barão de Joane por decreto de 11 e carta de 16 de Julho de 1870. 0 brasão de armas é um escudo com as armas dos Machados. A baronesa viúva, D. Praxedes de Sousa Guimarães, fal. em Vila do Conde em Setembro de 1901.

05 outubro 2005

Comício do PSD/PP no Larga da Feira

O apoio de Oliveira Fernandes


O professor universitário Oliveira Fernandes, que foi secretário de Estado do Ambiente no Governo de Mário Soares (1983-1985) e secretário de Estado da Economia no governo socialista de António Guterres, apoia a candidatura da coligação PSD-CDS/PP para a Junta de Freguesia de Joane e para a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.
Natural de Joane, Oliveira Fernandes foi a grande surpresa do comício de Armindo Costa realizado ao princípio da noite de quarta-feira, que encheu o Largo da Feira da vila joanense, depois de uma mega-caravana automóvel da candidatura da coligação “Mais Acção, Mais Famalicão” ter percorrido o concelho.
Dirigindo-se à multidão de vários milhares de pessoas, Oliveira Fernandes, que no passado apoiou o socialista Agostinho Fernandes e que nas últimas eleições presidenciais foi mandatário concelhio de Jorge Sampaio, declarou o seu apoio a Artur Fernandes, candidato à Junta de Joane, “um homem bom da freguesia”, segundo referiu, adiantando que a Junta socialista, nos últimos 12 anos, “não teve categoria” para gerir os destinos da vila.
Ao mesmo tempo, o antigo governante de Soares e Guterres não teve dúvidas quanto à vitória de Armindo Costa no próximo domingo, justificando o seu apoio pelo facto de o candidato liderar “um projecto” que considera positivo para a qualidade de vida dos famalicenses.

14 setembro 2005

Caros Joanenses,

Artigo do candidato do PSD/PP, publicado na edição de 14-09-2005 do Jornal Entre Vilas

O Partido Socialista solicitou ao Tribunal a impugnação da minha candidatura. Como sabem, sempre fui e serei um Homem honesto e trabalhador. Com serenidade recorri, como é meu direito, para o Tribunal Constitucional o qual repôs a verdade e portanto sou candidato à Junta de Freguesia de Joane. A minha candidatura permite aos Joanenses outra opção e oferece um outro rumo. Uma candidatura tranquila, com a serenidade que só a experiência de uma vida permite e a moderação de quem não precisa de se por em bicos de pés para mostrar trabalho. Lamento as armas de secretaria a que o Partido Socialista recorreu, demonstrando um sinal claro de medo. Ao contrário deles as minhas armas são sérias. Vou a votos, contra a vontade do Partido Socialista mas com a confiança, disponibilidade e empenho reforçados para servir os interesses dos Joanenses. A estratégia do partido Socialista foi uma intenção maquiavélica de fugir às urnas e à vontade dos Joanenses. O Partido Socialista festejou uma vitória de secretaria. A nove de Outubro a minha candidatura festejará a vitória nas urnas. Será a vitória de Joane e dos Joanenses. Artur Fernandes

Na qualidade de mandatário da candidatura do Sr. Artur Fernandes à Junta de Freguesia de Joane apresento-vos as razões do meu apoio

Artido de opinião do mandatário da candidatura do Psd/PP, publicado na edição de 14-09-2005 do Jornal Entre Vilas

As razões que me levaram a aceitar ser mandatário da candidatura do sr. Artur Fernandes são basicamente três: a responsabilidade civica de dar o meu contributo; a admiração pessoal pelo candidato e a necessidade imperiosa de uma mudança na Vila.Os portugueses parecem desacreditados dos politicos. Critica-se a sua baixa qualidade, o facto de serem sempre os mesmos e de nao permitirem a sua própria renovação. Desconfia-se dos políticos e é vulgar ouvir-se que “são todos iguais”. Partilho de algumas das criticas, mas acho que não são todos iguais e é aos eleitores que cabe fazer a distinção e contribuir também para a mudança e renovação que desejam. Por isso, quando fui convidado a ter uma participação activa nas próximas eleições autárquicas, como mandatário de um projecto inovador, senti que era minha obrigação aceitar e dar o meu contributo.A segunda razão tem directamente a ver com o sr. Artur Fernandes. Já expressei publicamente e por escrito o respeito e a admiração profundas que tenho pelo sr. Artur Fernandes. Pela pessoa e pelo que ela representa. Um exemplo de que a seriedade e a persitência, alavancados pelo trabalho sério e dedicado de uma vida, podem fazer a diferença. O sr. Artur Fernandes já fez a diferença na vida empresarial desta terra e vai novamente fazer a diferença na vida política.Finalmente, aceitei ser mandatário desta candidatura porque acredito que é tempo de mudar. O dr. Sá Machado governa os destinos da Vila creio que há 14 anos. É muito tempo. Demasiado tempo, numa democracia. Ao fim de 14 anos, o dr. Sá Machado está acomodado. Perdeu ambição e motivação e comporta-se como se tivesse herdado a Presidência da Junta e a Vila fosse sua: Quando é criticado, exalta-se, perde a compostura e a educação. Espero ajudar a que em Outubro também perca a Junta.Um abraço amigoMiguel Pimenta Ribeiro

Fala-se do coleccionador de...

Artido de opinião do mandatário da candidatura do PS, publicado na edição de 14-09-2005 do Jornal Entre Vilas

Anda por aí um coleccionador de fotografias. Pede a este, àquele e a outro. Todos servem para dizer que apoiam o candidato dele. Desde que a fotografia não seja a dele, porque esse segundo lhe disseram, tira votos. Todas servem para a caderneta que há-de ser impressa.
Percebo agora porque há já alguns anos, numa entrevista afirmou: “para o que faço ganho pouco”. De facto o trabalho que lhe foi confiado e que justifica o seu vencimento é escasso. Sobra até tempo para andar a qualquer hora do dia a coleccionar fotografias, fazer visitas e outras coisas que em Joane, todos aqueles que conhecem o cavalheiro, sabem o que anda a fazer. Este trabalho, esse sim, é muito e justifica o vencimento que vi estampado num jornal.
É um trabalho que não é para qualquer um. É um trabalho que requer responsabilidade e amor à camisola.
Não se coíbe de abordar quem quer que seja, onde e como. Tudo vale, pois a empreitada que tem pela frente não permite grandes deslizes.
Por falar em deslizes. Os que cometeu, parecem ter comprometido o seu segundo lugar na lista tendo que abdicar a favor de outros uma vez que, segundo me disseram, o seu nome estava queimado. Que pena! Um homem tão lutador, tão afoito e tão servidor do Templo, não ser o no2 da lista. Que humildade a deste homem que se verga, que aceita e que, até mesmo, cede o lugar a outros em nome da causa.

Do Pregador
Tenho as mãos limpas, gritava com o microfone no punho, perante os que o ouviam. Da plateia que o ouvia surge uma voz: tem-nas limpas porque não sabe o que é trabalhar. Continuou contudo com a sua gritaria. Votar em mim é votar no progresso, porque os outros não têm sonho. Votai em mim, berrava agora com mais força, porque eu não tenho interesses ao contrário de outros. Tenho vontade de vos servir. Da plateia alguém interrompe e vocifera: você é o mesmo que há uns anos atrás veio com a mesma conversa e depois de ser eleito para a Assembleia de Freguesia, esqueceu-se daqueles que em si votaram.
O homem que falava às massas corou, mas rapidamente retomou para dizer: Olhai, volto agora porque pensava que as coisas iam melhorar. Não se fez nada. Não há vontade e rematou dizendo. Somos sérios e por isso queremos servir-vos ao que alguém volta a responder: pudera não ias dizer que eras trafulha!
O pregador despede-se e atira para si próprio: vamos embora que aqui já me conhecem.

PS: qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência.

Custódio Silva
Mandatário do PS Joane
cmfs@mail.pt

13 setembro 2005

Programa Eleitoral Joane 2005 (PS)

Educação:
Pré - Primário - Continuaremos a apoiar quer logística quer financeiramente as salas da Pré - Primária. - Pugnaremos pela colocação de equipamentos na pré - primária do Montilhão, bem como pela manutenção das salas de aula e espaço envolvente. - Lutaremos pela instalação de uma pré - primária na zona de Monte Alvar / Labruge, de modo a descentralizar o uso destes equipamentos, e proporcionar maior comodidade e bem estar aos pais e crianças destas zonas.- Reivindicaremos pela instalação de aquecimento central na Pré - Primária.

1º Ciclo - Lutaremos pela criação de uma EB 1 de Raiz. Há muito que defendemos e lutamos por esta ideia. A criação da EB1 de raiz, permitirá obter uma escola moderna e adaptada às actuais necessidades pedagógicas. Do mesmo modo, permitirá reunir num só espaço todos os alunos da freguesia, servidos por salas de aula e de recursos modernas e amplas. Permitirá aos nossos alunos tomar as suas refeições no espaço da escola, com a criação de uma cantina própria. Permitirá uma melhor rentabilização dos espaços desportivos e lúdicos. Por outro lado a existência de uma só escola, permitirá que os alunos dos vários locais de Joane convivam entre si e criem uma identidade própria.De realçar que esta ideia tem sido muito acarinhada pelas associações de pais e encarregados de educação. Porque sabemos que entre o lançamento da ideia e a sua concretização prática no terreno, medeia algum tempo, Vamos: - Apoiar as escolas na realização das festas de Natal, Páscoa, Carnaval e dia Mundial da criança. - Fornecer meios diversos (fotocopiadoras) - Pugnar pela manutenção dos logradouros/ recreios e salas das escolas. Se a Câmara não avançar com as obras necessárias, como é sua função, Levaremos a cabo tais obras. - Pugnar pela manutenção dos transportes escolares para as crianças da Torre, Fontes, Charreiras, Ruivos e Monte Alvar/Labruge; - Reivindicar junto da Câmara por mais e melhor iluminação nos logradouros das escolas;- Reivindicar pela instalação de aquecimento central nas escolas do 1ºciclo.- Lutar pela instalação de mais e melhores equipamentos nas escolas.- Reivindicar junto da GNR, o reforço do patrulhamento por parte do carro "Escola segura", por nós conquistado.- Reforçar a segurança junto das escolas/creches, com mais sinalização e meios de controlo.- Iremos Instituir a Assembleia de freguesia dos pequenos.- Promoveremos em colaboração com as escolas concursos de educação e sensibilização cívica e ambiental. Os prémios de tais concursos serão atribuídos pela altura da celebração do aniversário da elevação de Joane a Vila. - Continuaremos a dialogar com as diversas associações de pais da nossa terra, de forma a melhorar a qualidade do ensino e bem-estar dos alunos e encarregados de educação.

2º 3º ciclo e secundário:- Apoiaremos este nível de ensino.- Apoiaremos a Escola Bernardino machado na renovação do pavimento das zonas desportivas.- Apoiaremos o Desporto escolar.- Auxiliaremos no transporte dos elementos da equipa de ténis de mesa da escola Padre Benjamim Salgado.

Rede viária.
Pavimentaremos:- A rua 1º de Maio/sub Carreira (Liga Cemitério a Santa Maria Airão)- Travessa de Figueiró;- Rua do areeiro;Procederemos à ligação da rua do areeiro á rua de Sto Amaro;Criaremos uma artéria de ligação da travessa à de rua de Fraizes;Rua de penedo (conclusão);Rua de Romão (conclusão);Rua de leiró (pavimentação)Travessa de Bairros (continuação)Prolongamento Avª charrueiras (protocolo com Pousada de Saramagos)Travessa da Bela vista (continuação, após saneamento)Travessa da hora (aguarda saneamento)Travessa de Romão;Rua das flores (Continuação);Rua D. Sara Barros Machado;Travessa de CeloricoRepavimentaremos Rua de Cimo de pele (após saneamento)Rua de Gavim e transversal à rua de Gavim (renovação)Rua das Fontes - Pavimento e colocação de passeios (após saneamento).Conego Lino Araújo CamposRenovação urbana da rua de Leognan.Pavimentação da travessa rego de chavesTravessa da senraTravessa de celoricoTal como em outros locais, sempre que possível e os proprietários o autorizem, alargaremos as ruas e colocaremos Passeios onde for possível.Iremos Construir os arruamentos previstos para o loteamento da estamparia Rafael.- Preservaremos o trecho da actual estrada Municipal 1491 na zona da Cividade, dado que o novo traçado da estrada municipal passará pelos actuais terrenos da família Borges.Eixos Municipais.
- Exigiremos da Câmara Municipal a pavimentação da Ligação Municipal entre Joane e Airão Santa Maria, pelo Cemitério e Sub - Carreira.
Via Intermunicipal
- Pugnaremos pelo prolongamento da Via Intermunicipal até Braga;- Continuaremos a lutar pela construção da Variante a Joane.

CENTRO
Reabilitação do centro, falar dos problemas (Sá Machado)
ESPAÇOS DE LAZER
- O Parque da Ribeira transformou-se num enorme sucesso. É hoje frequentado por muitos Joanenses e habitantes das terras vizinhas, é um espaço de referência, e muito bem referenciado em Joane e noutras terras. Como tal, iremos alargar e ampliar o espaço do parque da Ribeira.- Colocaremos novos equipamentos no parque da Ribeira, e nos demais parques públicos.- Criaremos dentro do parque da Ribeira, um destinado à juventude, com espaços dedicados a skate/Park e outros desportos radicais.- Instalaremos no Parque da Ribeira, um auditório ao ar livre. Tal auditório permitirá a realização de espectáculos no exterior, numa estrutura com todas a infra - estruturas e sempre pronta para utilizar pelos joanenses e pelas suas associações.- Lutaremos pela instalação na Vila de Joane de uma Piscina descoberta.- Pugnaremos pela manutenção dos parques infantis existentes.- Incentivaremos os moradores para se constituírem como associação, atribuindo para tal o competente subsídio, para que estes zelem pelos equipamentos sociais existentes ou a construir, como por exemplo em Cimo de Pele.- Pugnaremos pela instalação de polidesportivos ao ar livre.-Com a construção da nova sede da Junta de freguesia comaltaremos a lacuna da inexistência de sanitários públicos no parque da Ribeira.

ASSOCIATIVISMO
- Continuaremos a apoiar as associações quer logística quer financeiramente para que possam desenvolver iniciativas em prol da comunidade.Apoiaremos o G.D. Joane, na eventualidade de avançar coma compra de um terreno para o seu novo parque de jogos;- Promoveremos o aumento das parcerias entre as associações e a Junta de Freguesia;- Cederemos o auditório da futura sede de junta de freguesia para a realização das actividades das associações. - Manteremos o apoio aos jovens que praticam desporto sob a orientação do Sr. Manuel Gonçalves. - Depois de Concluído o edifício da nova sede da Junta de freguesia, colocaremos à disposição das Associações o edifício da actual sede da junta para que estas desenvolvam as suas actividades, reúnam, procedam a exposições e realizem actividades, proporcionando aos dirigentes associativos o uso de linha telefónica e de fax, bem como de computador com ligação à Internet.- Procederemos à criação de um Gabinete Jovem, que apoie os Jovens nas suas iniciativas e actividades.- Continuaremos com a política de parcerias com a associação de moradores da Habitorre, para a manutenção dos espaços públicos, nomeadamente. Passeios, iluminação, espaços verdes e parques infantis.
Habitação.
Renovaremos os tão degradados bairros da instituição Francisco Simões. As habitações datadas da década de 60 carecem de vários melhoramentos desde os telhados, caixilharias e outras necessidades. A Câmara prometeu a elaboração de um estudo prévio para o arranjo das habitações e exteriores. Criaremos equipamentos de uso colectivo no interior do bairro de baixo, demolindo-se duas das casas que se encontram devolutas, e criando no interior do bairro o espaço necessário para se efectuar uma renovação. A renovação das habitações começará com as coberturas das habitações colocando-se para o efeito placa e o respectivo telhado. A Câmara garantiu que, faseadamente avançará com a renovação solicitada, começando contudo por efectuar o aludido estudo prévio para avaliar as necessidades e elaborar caderno de encargos.
Serviços / segurança- Continuaremos a pressionar a Câmara o Governo e demais instituições, para que seja instalado na nossa terra uma estação de correios, condizente com o estatuto da nossa terra; para que os bombeiros sejam uma realidade; para que as finanças se descentralizem e se instalem em Joane; Para que o Centro de emprego instale em Joane um posto avançado do Centro de emprego.- reclamaremos o alargamento da rede de transportes colectivos municipais até Joane;- Quartel da GNR Foi o PS que na Junta de freguesia negociou e garantiu o terreno para a construção do quartel da GNR. Neste ano de 2005, conseguimos a abertura do concurso público por este governo. Foi este governo que garantiu a dotação orçamental para a construção do quartel. Não cessaremos de pressionar para ter o quartel construído em meados do próximo mandato. - Carro da escola segura.- Elaboraremos o programa de protecção civil local. Tal programa permitirá aos bombeiros e demais forças possuir um "guião" que lhes indica quem devem contactar para os acompanhar no terreno, quem possuí meios, nomeadamente máquinas e cisternas para os auxiliar no combate aos fogos, e os locais onde se podem abastecer de água, e tomar as suas refeições, quando no terreno. Tal programa será um poderoso meio no auxilio ao trabalho destas forças

Solidariedade
- Criaremos um gabinete da apoio psicológico e social à população de Joane. Em estreita colaboração com a rede social.- Pugnaremos para a existência de um centro de apoio à toxicodependência em Joane.- Criaremos um Centro de apoio à juventude.- Procederemos anualmente em colaboração com as instituições de ensino ao levantamento dos casos de abandono escolar, seus motivos e razões.- Contribuiremos para a eliminação das barreiras arquitectónicas.- Celebraremos anualmente o dia dos Avôs.- Iremos proceder à criação de uma Escola Sénior, de modo a contribuir para a alfabetização daqueles que por razões várias não o puderam conseguir na juventude..- Criaremos bases para a iniciação dos idosos no mundo da informática. - Tais iniciativas contam com o apoio da Associação de reformados, com a qual estabeleceremos parcerias.

PDM/ URBANISMO/AMBIENTE/ SALUBRIDADE- De modo a promover a instalação de empresas em Joane, combatendo também desta forma o desemprego que grassa pela nossa terra, lutaremos junto da Câmara Municipal, incessantemente pela criação de um Parque industrial de raiz em Joane.- Manteremos a nossa luta para que as áreas de cedência sejam em área e não em espécie, garantindo aos grandes aglomerados espaços de lazer e diversão para os seus moradores e demais habitantes de Joane. - Exigiremos à Câmara concretização do processo relativo ao plano de urbanização;- Incentivaremos a boa construção em Joane, como tal, vamos instituir uma distinção, a atribuir pela altura do aniversário da elevação de Joane Vila para a construção que apresente melhor qualidade. Para tal será avaliada a qualidade arquitectónica e paisagística do edifício, bem como a qualidade e afectação das áreas cedidas e seus equipamentos. Tal prémio será decidido por um júri independente e externo, constituído por especialistas na área. Temos consciência crítica e queremos combater a construção de má qualidade.- Pressionaremos a Câmara e a EDP, para que procedam à iluminação de todas as ruas que ainda não dispõe de iluminação pública, e para que substituam os postes de iluminação em cimento por outro tipo de iluminação mais condizente em zonas com características mais urbanas.- reivindicaremos o alargamento da recolha porta a porta dos resíduos sólidos domésticos.- Reivindicaremos o alargamento da área de acção do carro aspirador;Continuaremos a colocar papeleiras, contando com o apoio dos Joanenses, para manter as nossas ruas limpas.- Construiremos sanitários públicos no cemitério, na área do futuro alargamento.- Estabeleceremos protocolo com uma empresa ou instituição ou escola idónea, para a realização de análises de águas nos poços particulares. Tal parceria permitirá aos joanenses analisar as suas águas a preços mais vantajosos, verificando a aptidão das suas águas para consumo e uso doméstico.- apoiaremos a construção da Capela Mortuária a realizar pela Paróquia de Joane, estabelecendo protocolo para que essa capela mortuária possa acolher crentes e não crentes, ao exemplo de outras estruturas a nível nacional, como por exemplo a basílica da estrela em Lisboa.- procederemos a arranjo junto à poça de bairros.- Recolheremos na residência de quem o solicite os electrodomésticos velhos ou danificados e contactaremos a Câmara Municipal para fazer a sua recolha.

GERAL
Sede da Junta.
Alargamento do cemitério
Renovação urbana.
Apoiaremos os comerciantes Joanenses nas suas iniciativas.

26 julho 2005

Câmara de Famalicão lança obra para calar protestos da população

A Câmara de Famalicão assinou o auto de consignação da empreitada de pavimentação e rectificação do caminho municipal 1491, que liga a vila de Joane aos concelhos de Guimarães e Braga. Durante a cerimónia o presidente da autarquia não escondeu que o lançamento da obra tem como propósito fundamental de «calar os protestos» da população local que há muito não se cansava de organizar protestos.
In Diário do Minho [26/07/2005]

13 junho 2005

27 abril 2005

Bloco de Esquerda avança com lista em Joane

Bloco de Esquerda avança com lista em Joane “O executivo já não é capaz de sonhar"
Joane vai ter uma candidatura do Bloco de Esquerda à Junta de Freguesia. Essa decisão foi assumida na última reunião do Secretariado Concelhio, mas ainda não está nada definido quanto ao rosto que a vai liderar. Em entrevista ao Entre Vilas, Manuel Cunha afirma que o candidato será escolhido pelo grupo que está a trabalhar o processo autárquico e acrescenta que o BE tem condições para eleger um representante para o órgão deliberativo.

Bloco Esquerda nas últimas eleições surpreenderam-no?
Pela dinâmica de campanha não posso dizer que constituiu uma surpresa. No princípio as expecativas não eram tão elevadas. Não contava chegar aí, mas após a primeira semana de campanha começámos a acreditar, pela receptividade que havia das nossas acções e propostas. Triplicamos a votação de há 3 anos atrás com uma campanha de militantes, sem grandes meios e congratulamo-nos, também, porque fomos quem provocou o debate no distrito.

Na vila de Joane, tal como no concelho de Famalicão, o BE ultrapassou a CDU, tornando-se na quarta força política...
Tivemos os votos que nos confiaram ou os que merecemos. Sinal de que a nossa mensagem passou e as nossas propostas foram bem aceites. Não fomos buscar votos à CDU, até porque também não registaram descida na votação. Não fomos, por isso, ocupar o espaço da CDU.

Transportando essas indicações para as eleições autárquicas perspectivam um bom resultado?
O processo autárquico está a conhecer desenvolvimentos, num trabalho que está a ser feito pelo Secretariado Concelhio, a distrital e o dirigente nacional para as autárquicas [Pedro Soares]. Não temos representação nos órgãos autárquicos e, por isso, não temos a visibilidade que outros partidos têm, mas nos últimos 3 anos temos um trabalho realizado. Tomaram-se posições públicas sobre a vida autárquica do concelho e não estamos alheados do que se passou durante este mandato.

É um acto eleitoral que assume particular importância para uma força política que está em ascensão?
É-o na medida em que poderemos assegurar a eleição de representantes nos órgãos locais, o que dará uma maior projecção ao BE. Esse é um dos nossos objectivos para o embate de Outubro.

A vila de Joane vai ter candidato bloquista?
Sim, está definido que esta localidade será uma das que o BE vai apresentar candidatura. Há um grupo que está a trabalhar na elaboração da lista que será apresentada em Maio, após a convenção nacional. Será uma lista credível capaz de trazer propostas interessantes para o debate político. De resto, é nossa intenção provocar o debate. Estamos muito satisfeitos com o trabalho realizado, que para mim tem sido uma surpresa agradável. Existem muitos jovens a aderir ao BE, alguns que militaram noutros partidos mas que estão disponíveis para trabalhar na formação de lista em Joane.

Já se discutiram nomes para liderar essa candidatura?
Aquilo que temos definido é que o cabeça de lista será eleito pelo grupo. É preciso que o rosto que nos vai representar tenha confiança da estrutura e repudiamos o aparecimento de salvadores da pátria. As regras são estas e o cabeça de lista escolhido por todo o grupo.

A eleição de um representante para a Assembleia de Freguesia é o vosso objectivo?
Primeiro queremos apresentar lista credível e não concorra por concorrer. Temos que constituir um grupo de pessoas capazes de elaborar um programa e que discutam Joane. O nosso primeiro objectivo é provocar o debate e depois munirmo-nos de pessoas com capacidade para assumir as responsabilidades que o povo lhe conferir.

O debate político tem andado arredado da vila?
Muito arredado. Apenas acontece nalgumas reuniões da Assembleia de Freguesia, por vezes relacionados com questões menores e sem grande importância, quando o que deveria ser relevado não o é.

É uma crítica que faz às outras forças políticas?
É a constatação de um facto. Uma que não é só minha mas de muitos joanenses. Não há debate porque muitas vezes as questões pessoais sobrepõe os interesses de Joane. Se eleger um representante do BE este cenário irá mudar com toda a certeza. Não quer dizer que não haja pessoas com qualidade naquele órgão e que não levam questões interessantes, mas não há grande debate.
In Entre Vilas (27-04-05)

12 abril 2005

Artur Fernandes apresentado candidato PSD/PP a Joane

Os núcleos do PSD e do CDS/PP da Vila de Joane apresentaram ontem Artur Fernandes como o seu candidato à junta daquela freguesia do concelho de Famalicão.

Ainda antes que as concelhias daqueles partidos se tivessem pronunciado se vão concorrer coligadas ou isoladas nas próximas eleições autárquicas, aqueles núcleos assumiram a candidatura porque se tinham comprometido apresentá-la logo que encerrasse o congresso do PSD, que teve lugar no passado fim-de-semana.Na conferência de imprensa, os núcleos “laranja” e “popular” de Joane referiram que apesar desta ser a primeira candidatura a uma junta de freguesia apresentada isoladamente no concelho, respeitou o assentimento das concelhias dos respectivos partidos.Por isso, Artur Fernandes, de 65 anos, empresário da construção civil, é o candidato que vai disputar nas urnas, no próximo mês de Outubro, a presidência da Junta de Freguesia de Joane, governada por Ivo Sá Machado, que será o mais que provável candidato do PS.Como objectivos, os núcleos joanenses do PSD e do CDS/PP apontam que Artur Fernandes tem o perfil desejado e adequado para ganhar aquela junta, que se tem mantido sob o governo do PS, nos últimos anos.
In Diário do Minho [12/04/2005]