14 junho 2006

Professores: Uma semana em cheio.

Uma semana com um feriado à terça e outro à quinta é uma maravilha. Os professores portugueses decidiram torná-la ainda melhor e marcaram uma greve para uma quarta-feira!

36 comentários:

Anónimo disse...

Não é os professores, ó demente - é a FENPROF! Além do mais, os dois feriados são em Lisboa e Portugal não é Lisboa! Seria possível parares de arrotar enormidades sobre coisas das quais não percebes um pintelho? Agradecidinho. ;)

Anónimo disse...

Ó stor, tanta agressividade pra quê?
Come antes uma peça de fruta que te faz melhor.

Anónimo disse...

E que peça de fruta propõe vocelência?

Anónimo disse...

Não tem nada que agradecer. eu aproveito para o informar que em Famalicão também é feriado. E da última vez que eu vi, este era um blog de Joane e joane continuava a ser uma freguesia de Famalicão.

Anónimo disse...

Insisto em agradecer. De qualquer forma, a partir do momento em que o blog se encontra na blogosfera passa a ser mundial. É verdade... A fama! Em todo o caso, o anonymous errou e aqui corrige o seu erro: onde se lê "os dois feriados são em Lisboa e Portugal não é Lisboa" deve ler-se "os dois feriados são em Lisboa, em Famalicão e em alguns outros locais, e Portugal não é Lisboa, Famalicão e alguns outros locais".

Anónimo disse...

Oui... La Femme, la femme...

Hugo de Araujo disse...

E depois criticam o sistema de ensino português, se são estes os primeiros, a abandonar o barco,nas horas mais dificeis!
Só pertence á FrenProf,quem quer, logo os professores, organizaram a manifestação,ou não seria a FenProf, organizada apenas por professores!
Foi aproveitamento! Quiseram atrasar as férias! Logo se verá os resultados dos exames! Quem sofre são sempre os estudantes!
O Governo está no rumo certo quanto á educação!

Anónimo disse...

Ei, ei, eiiii! Pronto, já percebi que estás numa de provocação; de outro modo, penso eu, farias sentido... Mas não pega, que burro não sou, graças a Deus. Boa noite. :)

Anónimo disse...

Acabei de ver que o comentário foi escrito por um membro da JS de Famalicão. Uau! Que subtil! :)

Anónimo disse...

As aulas para os alunos que têm exames nacionais terminaram a 9 de Junho. A greve dificilmente terá influência nesses.

Esta perseguição nacional a funcionários públicos e professores em particular começa a irritar. Não me digam que o mau estado do país é culpa dos professores. É que eu estou fartode ir a locais privados e ser atendido por gente incompetente e preguiçosa. Até porque se os funcionários públicos são o cancro do país porque é que a sociedade civil não resplandece de pujança? É que tanto quanto sei a indústria privada vai pelas ruas da amargura e um dos grandes cancros é a falta de investimento e de visão dos empresários.

Deixem de levantar areia e sejam sérios.

Anónimo disse...

Oh meu caro, V. ainda nao percebeu a diferença, pois não?
É que se for mal atendido num sitio privado, V. pura e simplesmente não volta lá.
Num sitio público, tem de voltar porque não tem escolha...

Anónimo disse...

Permita-me discordar, meu caro (como há aqui uma série de anónimos, sabe-se lá quem somos... Mas permita-me, ainda assim...). Imagine que tem uma hipoteca num banco e que o serviço desse banco é péssimo. Pode, efectivamente, passar a sua hipoteca para outro banco (para, eventualmente, continuar a ser mal servido), mas quantos o fazem, tendo em conta a pipa de massa que implica essa mudança? Ou imagine que tem um seguro numa seguradora e, como é habitual, chega, na hora H, à conclusão de que o mesmo é inútil. Pode mudar logo de seguradora, claro está. Se tiver dinheiro para gastar! Pode imaginar muita coisa, tudo isso corresponde ao país real. Por isso, faço minhas as palavras do outro anonymous e digo: deixem-se de tretas e trabalhem com pés e cabeça. Se o país trabalhasse com pés e cabeça, haveria riqueza e riqueza mais bem distribuída - o resto é conversa fiada de ignorantes que ignoram sê-lo, moídos de inveja (e sabe-se lá de quê, acredite!).

Depois, há aqui uma questão muito importante e que nunca é mencionada: porque diabo é que escolas e hospitais são considerados função pública senão por uma questão de comodidade e prateleirização? Há muito que deveriam ter outro estatuto, visto nada terem a ver com a máquina burocrática do Estado.

Anónimo disse...

Concordo consigo na questão dos hospitais e da educação. Não há qualquer razão para o seu funcionamento ter de ser assegurado pelo Estado.
Na questão dos serviços privados é que não. Se, como o seu argumento pressupõe, todos os bancos e seguradoras são muito maus, há então espaço para surgir uma empresa que preste esses serviços com qualidade, porque aparentemente clientes não faltam.
De resto, em geral os bancos portugueses prestam bons serviços. E se compararmos com a qualidade dos serviços que prestavam quando eram todos públicos, a diferença é brutal...

Anónimo disse...

Poderá ser até um certo ponto... No que toca ao passado. Mas estou cheio de exemplos presentes de privados a funcionar muitíssimo mal. Para um neo-liberal, a lógica da livre concorrência deveria obviamente trazer justiça à coisa. Mas o nosso país não é neo-liberal e nem sequer capitalista, a não ser que com isso se entenda "capitalismo selvagem". O Estado diz-nos o que é bom para nós e o que é mau. Os cartéis, aos mais diversos níveis, impõem-nos preços e regras. E como todos se entendem muito bem, não saímos da cepa torta.

Quanto à questão do ensino e dos hospitais, não defendo uma generalizada separação do Estado. Pelo simples facto de que o Estado é o garante de que todos tenhamos acesso à educação e à saúde. Poderia ser melhor? Quiçááááá... Há sempre espaço para melhorar - ou quase. Desde que não seja à custa de trabalho escravo. O que eu digo é que escolas e hospitais não se inserem na máquina burocrática do estado e, sendo serviços tão imprescindíveis, passam a vida a lutar com falta de meios e regras auto-destrutivas, impostas por ignorantes com poder para se imaginarem sabedores. Escolas e hospitais trabalham, em geral e tendo em conta que toda a gente tem maus dias, no público como no privado, para além de haver uma certa desmotivação imposta, nomeadamente no ensino, bem melhor do que se poderia esperar se professores e médicos fossem, como se pretende transmitir para melhor (des)governar calaceiros incompetentes. O que também não se pode imaginar é que as pessoas têm vocação missionária. Os missionários andam pelos países do terceiro mundo, fazem uma obra bem meritória, mas não são os portugueses que, como os restantes, trabalham como médicos e professores. Exigi-lo é alucinar.

Hugo de Araujo disse...

Antes demais:"Acabei de ver que o comentário foi escrito por um membro da JS de Famalicão. Uau! Que subtil! :) ", não combina comigo, porque acima de tudo, nao me escondo no anonimato, nada tenho a esconder de ninguem, aliás, existe um pequeno lapso, não é da JS Famalicão, mas sim JS Riba de Ave :)! Quanto ao assunto, tudo o que disse, me parece veridico. Porquê? Primeiro, todos os anos, os professores por esta altura, marcam uma greve, ou mesmo nas semanas de exames nacionais, como já aconteceu até há bem pouco tempo! Os professores estavam habituados a regalias e mais regalias, mas em tempo de vacas magras, á que e cito apertar o cinto,pois Portugal ja nem tanga tem! Está simplesmente Nú! Quanto á solução do público e privado, é uma ideia a pensar! E já agora, não só os professores, mas toda a função pública estava habituada a regalias, mas eis que chegou alguém com Coragem, de colocar a este Drama um ponto final! Já bastava!!!

Anónimo disse...

Antes de mais, dedica um pouco menos de tempo às vossas tangas políticas nojentas e aprende a escrever e falar Português. Tenho a certeza de que tiveste professores capazes mas talvez fosses um calaceiro. Se estás na política, perdoa-me, mas ainda deves ser um calaceiro, sem qualquer tipo de moralidade para criticar quem transpira no seu trabalho irreconhecido, enquanto a vossa laia enche a pança gorda.
Em segundo lugar, vocês - PS e PSD, exactamente o mesmo - são tão, mas tão burros e tão cegos que não se apercebem que qualquer dia tudo isto vos vai estourar nas mãos e que só vocês, com a vossa maldita incompetência premiada de 32 anos, serão os únicos e exclusivos culpados. Espero ver-vos nas masmorras.
Para finalizar, o nome "hugo de não sei quê" não te torna um herói, da mesma forma que o anonimato, ainda legal, ainda permitido, não me torna um criminoso. Vê lá se te enxergas!
Lamento dirigir-me assim a alguém que, como tu, não passa de arraia miúda, alguém que, sei lá, eventualmente até ainda acredita em algo, mas os teus chefões não estão disponíveis.
Dorme bem, se puderes. Porque a tua classe (política) tem as mãos cheia do sangue de todos os portugueses.

Hugo de Araujo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Hugo de Araujo disse...

Quanto a todas essas acusações, acho-as no minimo infantis, pois a provocações não ligo, acho-as no minimo ridiculas e despreziveis! Erras quanto ao facto de e transcrevo:" Se estás na política, perdoa-me, mas ainda deves ser um calaceiro, sem qualquer tipo de moralidade para criticar quem transpira no seu trabalho irreconhecido, enquanto a vossa laia enche a pança gorda.", pois se ando na politica, o que é livre de qualquer cidadão português, é porque ainda acredito em POrtugal, ao contrário de ti, que me parece, apenas serves para criticares tudo e todos, lançando balas a todos, e dirigindo os problemas somente aos politicos! Não está certo essa forma de julgamento. Se o PSD e o PS foram premiados durante 32 anos, é porque a maioria dos portugueses acharam certo dar o voto de confiança! Ou a ditadura ainda não acabou?! O 25 de Abril já passou há muito, mas muito tempo...lembras-te?
Os professores durante anos foram previligiados,os juizes foram previligiados, os que não queriam trabalhar foram previligiados, com subsidios e mais subsidios! Agora tudo acabou! Tudo o que tem inicio tem um fim! E o fim finalmente chegou! Já agora tambem te digo, que segundo as sondagens, se hoje houvessem eleições, o PS voltaria a vencer e quem sabe com maioria! Por isso fico triste, quanto á tua ignorancia, de distinguir o que está certo do que está errado, porque não é criticando, que os problemas se resolvem, mas sim actuando estando na frente. Se tens ideias, para mudar Portugal, o pais, porque nao te candidatas?! És livre dessa candidatura, lembras-te? Aconselho-te a leres a constituição, e os direitos do cidadão português!
Quanto ao dormir, graças a Deus durmo tranquilo, com dever do trabalho feito.

Anónimo disse...

Vou encerrar o caso por aqui. Apenas com o seguinte: E-s-t-á-s c-o-m-p-l-e-t-a-m-e-n-t-e i-l-u-d-i-d-o. Não percebes nada do que dizes nem do estado de espírito e confusão geral dos portugueses. Quanto a mim, não coopero com um sistema de poltrões, corrupto até ao tutano - é a minha opção responsável de não permitir que me conspurquem. Uma coisa te garanto: a terceira República, por culpa da incompetência de quem deveria assumir responsabilidades e nunca o fez (e não faz), tem os dias contados. Tão certo como ter havido revoluções no passado e vir a havê-las no futuro. Boa noite.

Hugo de Araujo disse...

Aceito o termo desta conversa. Ao contrario do que dizes, percebo e ate demais do que falo, mas tudo bem, nao estou para me chatear mais, fica na tua, que eu cá fico na minha. Quanto ás revoluções que existiram, não digo que nãoexistiram novamente, cá em Portugal muito dificilmente. Boa noite...

eu disse...

O "anonymous" estabeleceuma superioridade moral sobre os demais que assusta! Então há o "povo" correcto, honesto e trabalhador, e há os "politicos", ladroes, corruptos e desonestos? É assim que ve as coisas? Já agora de onde saem esses politicos? Será do "povo"? Ou aparecem por geraçao espontanea? Não reflectirão os politicos o nosso povo? Ah, e por favor não seja mal educado... Ignorância trata-se, mal educação não tem cura!

Anónimo disse...

Eu tenho uma forte superioridade moral sobre si e sobre muita gente. Não somos todos iguais, excepto para os socialistas medíocres que têm posto o país a ferro e fogo. Algum problema ou podemos mesmo terminar aqui?

eu disse...

LOL... Forte superioridade moral??!!! Não em faça rir que aínda me dá uma coisinha... Que não somos todos iguais sei muito bem, e agradeço todos os dias a Deus por isso! Só de imaginar a possibilidade de ser como você até tenho arrepios!
Como pode alguem declarar-se "moralmente superior" a alguém que nem conhece? Nem de quem conhece pode dizer isso, quanto mais sobre alguem que não faz ideia de quem seja... Caro amigo, arranje ajuda rápido!

Anónimo disse...

O gajo da superioridade moral não será um Monteiro (parece que é engenheiro) de meia estatura que tem a mania (sempre teve) que é mais que os outros?

Anónimo disse...

The little dogs bark while the caravan passes...

A falsa modéstia enraivecida é apenas um dos defeitos genéticos portugueses, os quais tanto têm contribuído para que tenhamos kaos no jardim. Não falta muito... Hei-de ver-vos no cadafalso e estarei na primeira fila a bater palmas. ;)

eu disse...

Mas este homem fala de que? Ver-nos no cadafalso? Mas porquê? Por sermos "inferiores moralmente" à sua pessoa? Credo, está mais DOENTE do que pensava...
Quanto à suposiçao de quem será o "superior" não me parece correcta, já que este "superior" parece ter um ódio de morte aos políticos e a quem faz intervenção política...

Anónimo disse...

Eu (não eu), tu gostavas era que eu respondesse à tua provocação. Deves estar habituado a lidar com gajos muito otários, mas nem na net vou descer ao teu nível - inferior. :)

PS - Terias tu a simpática gentileza de me explicares o significado profundo do teu segundo parágrafo?

Ricardo disse...

Chamaram-me a atenção para este blogue e vim cá por mera curiosidade. Certifiquei-me: este blogue é feito por políticos e lido por políticos; enfim, por politiquinhos. Achei, na sequência, muito curiosa esta troca de "mimos". Parece-me, antes de tudo, coisa normal neste universo dos blogues, não é como se fosse algo do outro mundo.
Mas (não sendo o anónimo que por cá tem andado a dar-vos troco, tenho que o salientar, para que não haja confusões) tenho que dizer que estou com o anónimo. Porquê, perguntar-me-ão? Ele até é DOENTE (com maiúsculas e tudo) e tem um ódio visceral pelos políticos. Será normal? A questão, meus caros, que me parece que vos ultrapassa é mesmo essa: o cidadão comum, cheio de que façam dele gato e sapato, independentemente de votar ou não votar (com muito pouca convicção, se tiver dois dedos de testa, acrescente-se), não só não gosta de políticos em geral, como os detesta e começa a odiá-los. No fundo, quem gere este país onde não deicamos de nos afundar? Não são os partidos políticos e os seus representantes? Para o cidadão comum informado, "político" é um insulto, mas um insulto mesmo. Lamento-o, mas é-o para mim também. Ser "político", hoje, em Portugal, daria, no Velho Oeste, direito a sair da cidade coberto de alcatrão e penas e em cima de um carril. É pena que nem os políticos nem os políticozinhos compreendam um facto tão simples. Alguém é responsável do caos instalado. E esse algiém não é, não pode ser, de certeza, o cidadão que se sente cada dia mais pressionado, que começa a raciocinar até que ponto vive numa democracia, que vê os "senhores" da política, da políticazinha e do pseudo-empresariado engordar a olhos vistos, enquanto para ele, para o cidadão comum, o futuro cada vez mais se assemelha a uma palavra de ficção.
Espero que o meu breve esclarecimento de "cidadão comum" seja entendido e ajude a entender isso tudo que está para trás. Se me quiserem insultar também, não há crise... Eu não me sinto insultado pelos insultos de qualqier um. Abraços.

eu disse...

Sr. Ricardo, não sou, nunca fui certamente nunca serei nem político nem "politiquinho". Concordo tambem com muito do desencantamento que toda a gente sente por as coisas não tomarem nunca um rumo certo. Mas, é tudo culpa dos políticos? A força e a capacidade de uma nação resume-se aos seus políticos? E esses políticos não serão uma imagem fiel do povo do seu País? Teremos assim um povo tão melhor que os políticos? Uma série de perguntas que aqui deixo.
É facil "empurrar" para os outros as culpas. São "eles" os incompetentes, os corruptos que deixam isto assim; que apareçam então os competentes e honestos e tomem as rédeas disto! Não digam só mal, FAÇAM ALGO!

Anónimo disse...

Meu caro,
permita-me discordar.
Temos os pol+iticos que merecemos. São maus? Sim, a maioria.
Emergem do país que temos e somos.

O problema é que não é possível uma sociedade sem políticos. Façamos pois, todos e sobretudo as novas gerações, um esforço para melhorar. O país e os políticos.

Anónimo disse...

O povo não presta, os políticos não prestam. As elites que emergem desta porcaria não prestam p que é que nos resta?

O suícidio colectivo?

Como acho que a vida é um dom a preservar, venha um dilúvio e arraste-nos, todos os portugueses, para o fundo dos mares limpando assim a superfície da terra da escória que somos.

Hugo de Araujo disse...

Pensei, que o anonymous, fosse mais patriota, ao que criticava os politicos... Como este é tão intelectual, esperto e citando:"Eu tenho uma forte superioridade moral sobre si e sobre muita gente", agradecia que não falasse, em nome de todos os portugueses! Tenha vergonha, e antes de escrever pense... Antes de dizer mal de quem seja, olhemos primeiro para nós próprios!!! Já é crescidinho, para ter mais juizinho!!!!

Anónimo disse...

Ai, que diabo! Juizinho para si, se faz favor. Nem todos os anonymous são o mesmo, ok?

eu disse...

Já agora fica essa ideia: porque não um "nick"? Assim anónimos na mesma, mas pelo menos sabe-se que anónimo é!

Hugo de Araujo disse...

Logicamente "eu". Mas eles não entendem isso!!!

Anónimo disse...

Se os autores do blog são anónimos, porque raio os restantes contribuidores do blog não se podem encobrir também? Já os nicks faria mais algum sentido.