24 fevereiro 2006

Vá lá, decidam-se, por favor!

Capa do DN de hoje: "Caso dos cartoons não afecta [popularidade de] Freitas."

Óptimo. Mas na noticia, o jornalista Filipe Santos Costa escreve: "o caso dos cartoons parece ter afectado" Freitas do Amaral.

Deve ser a isto que se chama fazer um jornal para todos os públicos.

1 comentário:

o26deabril disse...

Parece ter-se tornado moda que os governos das democracias ocidentais integrem ministros, digamos, dissonantes. O americano Donald Rumsfeld tem já uma vasta bibliografia com as suas tiradas mais cómicas. Em Itália, o próprio primeiro-ministro não gosta de deixar esses créditos por mãos alheias. E nós, por cá, já tivemos de tudo - quem comesse mioleira em tempo de vacas loucas, quem contasse anedotas de mau gosto em público, quem classificasse os adversários políticos como gelatina política... Isto para não falar de uma fase mais recente, em que um primeiro-ministro atraía sobre si todas as atenções, raramente pelos melhores motivos.
Freitas do Amaral parece ter chamado a si o papel de grilo falante do Governo com a mais apertada política de comunicação da última década. O problema reside em saber se o ministro dos Negócios Estrangeiros fala por si ou se o que diz, num tom desabrido, corresponde ao que, de forma mais polida, é o pensamento do Governo, a começar pelo primeiro-ministro.
Subscreverá José Sócrates o que disse nos últimos dias o seu ministro? Essa começa a ser uma questão politicamente relevante. E o silêncio de Sócrates não deixa ninguém descansado. Nem a nós nem ao Freitas...que se tem comportado como um papagaio bem amestrado...cuidado com a gripe das aves..Sr MINISTRO porque se a migração neste momento não representa perigo...a remodelação pode representar...e ainda lhe mandam a fotografia pela janela...